Requisitos básicos para adoção

Apartamento todo telado (inclusive banheiro e janelas basculante)

Casa com muro alto e sem rota de fuga

Outros gatos residentes na casa vacinados (Quadrupla Felina e Raiva) e teste para FIV e FELV negativo

Ser maior de 21 anos

Documentação

Responder ao Questionário para Adoção

Xerox da Identidade e de um comprovante de endereço

Taxa para manutenção da Casa de R$ 50,00

O que é necessário providenciar para adotar um gato:

As providências necessárias para quem deseja adotar um gato são:

Telas em todas as janelas, sacadas e grades; Ração de qualidade; comedouro e bebedouro (de preferência uma fonte); Areia, caixa de areia e pá; Caixa de transporte; Arranhador, caixas, tocas, prateleiras e brinquedos para enriquecimento ambiental.

O que é necessário providenciar para adotar um gato:

Processo de adoção composto por três etapas:

1ª) A pessoa interessada em adotar um gato deverá ir na CASA MIA para identificar o gato que mais se afinize.

2ª) Após identificar o gato que deseja adotar, será entrevistada com base no Questionário para Adoção previamente respondido.

3ª) A equipe da CASA MIA levará o gato até a residência para avaliar as condições de segurança e de acolhimento no novo lar.

Após 30 dias, será realizada nova visita para avaliação da adaptação do gato no novo lar e sua nova família.

Pronto para Adotar?

Gatos Disponíveis para Adoção e suas Histórias

História do Amendoim

Antes

Depois

A história dos resgates da CASA MIA começou no dia 07 de fevereiro de 2019, no banheiro do meu apartamento, e o responsável por tudo isso foi o Amendoim.

Explicando melhor:

Em Novembro de 2018, comecei a notar três gatos rondando o meu prédio, uma fêmea escaminha e dois filhotes jovens amarelos. Um dos filhotes me chamou muito atenção. Foi amor à primeira vista!

Um dia, chegando em casa, ouvi um miado muito forte vindo do bueiro em frente ao prédio, e quando fui ver, lá estava ele, miando igual um desesperado. Não sabia como tirá-lo de lá, então, chamei os bombeiros para resgatá-lo. Um vizinho, do prédio em frente, veio falar comigo pois, já havia notado que eles estavam morando dentro do bueiro.

Como os bombeiros não chegavam e estava armando chuva, tentamos de todas as formas tirar ele de lá, mas não conseguimos. Depois de várias horas de angústia e preocupação, eis que ele sai do bueiro sozinho, seguido pelos outros dois.

As chuvas chegaram com força total e a minha preocupação só aumentava.

Até que tomei a decisão de resgatá-los com uma gatoeira e ele foi o primeiro a cair nela.

Ele não tinha nenhum machucado ou lesão, estava bem fisicamente, mas com alguns dias foi que descobri que as lesões causadas por ter nascido e vivido até aquela data na rua, tinham sido emocionais.

Ele era muito arredio, tremia ao contato com pessoas e vivia escondido.

Foi com muito cuidado, paciência e carinho que comecei a me aproximar, conversar com ele, passar a mão, e depois de 6 meses, consegui colocá-lo no colo.

Hoje, o Amendoim é outro gato, sociável, amoroso, brincalhão, mas, na presença de estranhos ainda fica arredio e desconfiado.

Por isso, a proposta da CASA MIA, é que os gatos fiquem soltos, interagindo com os frequentadores da Casa, para que possam restabelecer a confiança no ser humana e ter uma chance de serem adotados por pessoas responsáveis e amorosas.

História da Paçoca

Antes

Depois

Em Novembro de 2018, notei três gatos rondando na minha rua, uma fêmea escaminha e dois filhotes jovens amarelos. Com a chegada das chuvas, percebi que eles estavam morando dentro do bueiro em frente ao prédio onde moro, fato que começou a me deixar muita apreensiva.
A barriga da fêmea começou a crescer, indicando que ela estava prenhe.

No início de Fevereiro de 2019, não aguentando mais de preocupação com ela ter os filhotes no bueiro, decidi resgatar aquela família. Consegui uma gatoeira (armadilha para pegar gatos) emprestada com uma amiga e coloquei na garagem do prédio, próximo de onde colocava comida para eles.
Consegui pegar toda a família e uma semana depois, no dia 15 de Fevereiro, ela teve 6 lindos filhotinhos.

Muito arrisca e assustada, Paçoca não deixava ninguém se aproximar, rosnando e avançando. Foi com muito amor e paciência que consegui me aproximar e passar a mão nela e, hoje ela já se aproxima pedindo atenção e carinho, mas tudo com muito cuidado e bem devagar para ela não se assustar e sair correndo.

Os 6 filhotes da Paçoca foram todos adotados e vivem felizes e seguros em suas famílias.

História do Pudim

Antes

Depois

Vocês conhecem aquele ditado que diz “mirou no que viu, acertou no que não viu”? Pois é, o Pudim entrou em nossas vidas assim!

Havia uma família, uma fêmea prenhe e dois filhotes jovens morando no bueiro em frente ao prédio onde moro e eu os vinha observando e colocando comida para eles há algum tempo.
A barriga da fêmea estava enorme indicando que ela estaria prestes a ter os filhotes.
Estava muito preocupada com ela ter os filhotes no bueiro, por isso, decidi que iria resgatá-los.
Consegui uma gatoeira (armadilha para pegar gatos) emprestada com uma amiga e coloquei na garagem do prédio, próximo de onde colocava comida para eles.
Em pouco tempo, peguei um filhote, depois a fêmea e só faltava o outro filhote.
A armadilha ficou armada de um dia para o outro e, na manhã seguinte, ela tinha pego um gato que eu nunca tinha visto antes.
O pobre gato estava todo machucado, um olho fechado, pedaço da orelha faltando, todas as patas tinham feridas.
Mandei a foto dele para várias amigas veterinárias e o diagnóstico era unânime, suspeita de Esporotricose, Fiv e Felv. Chegaram a cogitar a necessidade de sacrificá-lo.
Felizmente, todos os testes deram negativos e, depois de alguns ajustes no tratamento, ele começou a reagir e as feridas começaram a fechar.

Depois de 8 meses de tratamento, o nosso Pudinsinho estava totalmente recuperado.
Hoje ele é um gatinho que adora companhia, brincalhão, comilão, que aprendeu a virar a barriga para pedir carinho e tem a carinha mais meiga que já vi!

A armadilha o pegou para que pudéssemos cuidar dele e lhe dar uma oportunidade de ser feliz!
Resgatamos o Pudim da morte e agora vamos encontrar uma família responsável e amorosa para ele!

História do Caramelo

Antes

Depois

Caramelo era o segundo filhote que estava com a Paçoca e o Amendoim morando dentro do bueiro em frente ao prédio onde moro.

Eu já havia resgatado o Amendoim e a Paçoca, deixei a gatoeira armada durante a noite e na manhã seguinte, lá estava o Pudim preso na armadilha.

Dois dias depois, conseguimos pegar o Caramelo na gatoeira. Ele estava com vários ferimentos nas patas que demoraram meses para cicatrizar. Entretanto, a maior consequência do abandono e maus tratos sofrido nas ruas não era físico, mas emocional.

Nós não sabemos pelo que ele passou vivendo na rua, mas as sequelas eram evidentes. Apesar de dócil, não deixava ninguém se aproximar dele, passava o dia inteiro entocado no lugar mais isolado possível e só saia de lá para se alimentar e usar a caixa de areia. Nem com o restante da sua família ele interagia.

Hoje, na CASA MIA, com mais espaço e privacidade, o Caramelo está um pouco mais à vontade, mesmo assim, passa a maior parte do tempo dentro de um cesto no alto de um armário, lugar escolhido por ele e, á noite, interage e brinca com os demais gatos.

Na presença das pessoas, continua arredio e com medo, fugindo do contato.
Apesar disso, ele é um docinho, consegui conquistar a sua confiança e, no meu colo, ele relaxa e se abre para receber carinho.

A pessoa que for adotá-lo deverá ter muita paciência e amor para oferecer e receberá em troca um ronronado macio, sincero e profundo.

História do Milk

Antes

Depois

Na minha rua sempre aparecem vários gatos que ficam rondando de prédio em prédio em busca de comida. Várias pessoas tentam ajudar, colocando comida e água, e buscando quem possa adotá-los. Mas, também, existem várias pessoas que não querem os gatos rondando os prédios e jogam a comida e a água fora.

Milk, ainda filhote, e sua mãe estavam se abrigando em uma oficina abandonada e sendo alimentados pela Gabriela Gomes @gabicoelhogomes.

Um dia, voltando do trabalho, quase chegando em casa, vi uma bolinha branca atravessando a rua e se escondendo debaixo de um carro. Ele estava esperando a Gabriela chegar para lhe dar comida. Tentei me aproximar mas, ele correu para a oficina.

Foi quando a Gabriela chegou e me contou que a mãe tinha sumido e que os vizinhos estavam reclamando muito dela colocar comida para ele. Ela não sabia o que fazer, pois ele era muito pequeno, estava sozinho e não sabia se defender, e me pediu ajuda.

Gabriela pegou a ração e colocou ao lado do portão da oficina e ele veio, todo desconfiado. Quando vi aqueles olhinhos azuis-piscina assustados não resisti, fui em casa, peguei a minha caixa de transporte, colocamos patê dentro dela e ele entrou.

Todos ficam apaixonados por ele, seu pelo sedoso, seu andar macio e elegante e seu olhar vivo e profundo!

Milk foi adotado e em breve estará com sua nova família. Seu novo dono, @bassafotofilme, esteve na Casa Mia para fazer um trabalho e imediatamente se identificou com o nosso querido Milk.

História da Canjica

Antes

Depois

Este foi o resgate mais fácil que já fizemos e, quando vocês conhecerem a Canjica, vão entender o porquê!

Estava fechando meu apartamento para ir trabalhar, quando vi pela janela, na calçada, um rapaz passeando com um Yorkshire na coleira e um gatinho que andava se esfregando nele e no cachorrinho.
Pensei: “Que rapaz doido, sai com o cachorro na coleira e o gato solto!”
Mas, o rapaz continuou andando e o gato ficou, o gato não era dele, estava na rua, abandonado.

Quando estava saindo do prédio ele ainda estava lá e, quando me viu, veio em minha direção e começou a se esfregar em mim. Fiz carinho, conversei e levantei para ver o sexo, era fêmea! E vi que a ponta do seu rabo estava pendurada, quebrada e havia um grande e feio machucado bem no meio dele. Não tive dúvidas, peguei ela no colo, corri para meu apartamento e a coloquei no banheiro com água, comida e areia.

No dia seguinte, a veterinária a examinou e concluiu que o melhor a fazer era amputar o rabo para evitar que a infecção se alastrasse pela coluna. Também, descobrimos que ela já era castrada, pois ainda tinha uma linha cirúrgica, um ponto em sua barriga.

Canjica é uma adoção especial, não pelo rabo amputado, mas pela doçura, meiguice e sociabilidade. É ela quem recebe todos os visitantes da CASA MIA com seus lindos olhos azuis-celestes e seu miadinho manso!

Canjica foi adotada pelo casal de Voluntários da CASA MIA Mariana @marilevy95 e Guilherme que estão preparando o apartamento para recebê-la.

História da Amora Vitória

Antes

Depois

Amora Vitória era uma gatinha de rua, abandonada na região do bairro Guarani e foi resgatada pela protetora Júlia @julia_pedrosa18 que relata sua história:

“No final de Setembro de 2019, Amora entrou em uma casa e foi atacada por quatro cães. Ficou muito ferida, sentindo muita dor, escondida no jardim desta casa, onde ficou por muitos dias sem o devido tratamento, e por causa da dor que sentia, não permitia que chegássemos perto dela. Ela nos atacava ou se escondia por baixo das grandes moitas de mato que havia no local. Colocamos ração e água para ela todos os dias, mas ela não se alimentava nem bebia nada. Improvisamos uma caixinha para que ela dormisse, mas também não aceitou.

Aproximadamente 20 dias depois, Amora já muito desnutrida, fraca e com as feridas necrosadas, deixou que a pegássemos. Já não havia mais forças para lutar contra nós. Levamos ao veterinário, que a internou de imediato por causa da desidratação. Finalmente limpamos as feridas e forçamos a alimentação. Foi pedido um raio X, pois sua bacia estava crepitando e ela não apoiava seus membros traseiros corretamente. No raio X foi possível constatar graves fraturas na região. Deveriam ter sido operadas, mas devido ao tempo do ocorrido, não havia mais como fazê-la.

O recomendado foi repouso absoluto para ela, limpeza das feridas diariamente, medicamentos antiinflamatórios, antibacterianos, analgésico e vitaminas. Aproximadamente 3 semanas depois, Amora Vitória começou a apresentar fungos pela pele. Levamos ao veterinário novamente, que entrou com medicamentos antifúngicos. Ainda era preciso fazer uma ultrassonografia, mas os recursos haviam acabado!

Foi quando apareceram nossos Anjos da CASA MIA que levaram Amora para um lugar calmo, bem estruturado e com o amor e a atenção que ela tanto precisava.
Hoje, Amora está completamente recuperada, anda normalmente, apenas não dá grandes saltos como os gatos fazem. Ela é uma gata extremamente carinhosa e dócil, fácil de lidar, que adora colo e carinho.” ⠀

Amora foi adotada pelo casal Kátia @katiaferraz04 e Nilo, ganhou dois irmãos mais velho e um irmãozinho mais novo e está feliz e segura em sua nova família!

História da Cocada e seus 5 filhotinhos

Antes

Depois

Os três irmãos, Cocada, Canela e Quindim nasceram em uma oficina mecânica, no meio das ferragens e peças automotivas. Não sabemos do paradeiro da mãe, nem se existiam outros irmãos mas, eles não eram os únicos a tentar sobreviver se escondendo naquele local, haviam outros.

A protetora Sônia Viana Couto @vicosonia, que trabalha em frente à oficina, já havia percebido a existência de vários gatos e estava cuidado deles, dando ração e água e buscando lares para cada um deles. Muito preocupada com a situação dos três irmãos filhotes, entrou em contato conosco propondo uma parceria, ela resgataria os gatinhos, arcaria com os cuidados básicos e ajudaria na divulgação das adoções. Concordamos e, depois de várias tentativas de prendê-los em uma gatoeira, foram todos resgatados e acolhidos na CASA MIA.

Ao receberem os cuidados básicos, que são vacina Quádrupla Felina, exame para Fiv e Felv, vermifugados e tratados contra pulgas, percebemos que a Cocada poderia estar prenhe.
Fizemos um ultrassom que confirmou a gestação de 42/44 semanas de seis gatinhos.

Providenciamos um espaço só para ela ter seus bebês com tranquilidade e, exatamente 30 dias após o resgate, os filhotinhos nasceram. Um deles, encontramos morto no dia seguinte ao parto.

Os cinco filhotes, dois machos e três fêmeas, estão crescendo saudáveis e, após desmamarem com uns 50 dias, estarão disponíveis, inclusive a Cocada, para serem adotados por famílias amorosas e responsáveis.

História da Canela

Antes

Depois

Os irmãos Cocada, Canela e Quindim, com aproximadamente 9 meses, foram resgatados no início de Fevereiro de 2020 pela protetora Sônia Viana Couto @vicosonia, com quem fizemos uma parceria, e imediatamente acolhidos na CASA MIA.

Percebemos que a Canela estava com um pequeno sangramento e poderia estar no cio. Com o passar dos dias, notamos que ela não estava apresentando os comportamentos característicos do cio e estava com uma secreção amarelada. Decidimos fazer um ultrassom que identificou que ela estava com piometra e precisa ser operada com urgência.

Graças à disponibilidade da Dra. Fabrissa Mafia @fabrissamaffia a operação foi um sucesso e Canela se recuperou rapidamente.

Durante o pós-operatório, ela ficou no meu apartamento e foi se acostumando com os meus cuidados, demonstrando ser muito meiga e carinhosa.

Ao retornar para a CASA MIA, a colocamos junto com o irmão para tentar acalmá-lo pois, ele estava muito arrisco. A estratégia não surtiu efeito, além dele não se acalmar, ela começou a rosnar quando chegávamos perto dela. Para ela voltar a se acostumar com o contato humano, à noite, deixamos ela passear pela Casa, para conhecer e interagir com os outros gatos. Aproveitamos este momento, para colocá-la no colo, brincar, fazer bastante carinho.

Hoje, Canela está integrada ao grupo e com bastante espaço para explorar e correr, pronta para ser adotada e ter uma família só dela.

História do Quindim

Antes

Depois

Os irmãos Cocada, Canela e Quindim, com aproximadamente 9 meses, foram resgatados no início de Fevereiro de 2020 pela protetora Sônia Viana Couto @vicosonia, com quem fizemos uma parceria.

Quindim chegou na CASA MIA uma semana depois das irmãs Cocada e Canela, e foi bem difícil pegá-lo na gatoeira, ele sempre conseguia um jeito de desarmá-la.

Dos três, Quindim é o mais arredio e arrisco, passa o dia todo entocado dentro de uma caixa ou em baixo da pia do banheiro, rosna e não aceita o contato humano. Mesmo depois de dois meses na Casa, continua arredio, rosnando e tentando unhar quem chega perto dele.

Em um dia de muito calor, deixamos a janela do quarto aberta para ventilar e ele conseguiu cortar a tela e fugiu. Sorte que a janela dá para o quintal, que é todo telado, e conseguimos pegá-lo antes que corta-se outra tela.

Vamos precisar de tempo, paciência e persistência para conquistar sua confiança e lhe ensinar o que é o amor!

História da Broinha e seus 5 filhotes

Antes

Depois

Os irmãos Cocada, Canela e Quindim, com aproximadamente 9 meses, foram resgatados no início de Fevereiro de 2020 pela protetora Sônia Viana Couto @vicosonia, com quem fizemos uma parceria.

Quindim chegou na CASA MIA uma semana depois das irmãs Cocada e Canela, e foi bem difícil pegá-lo na gatoeira, ele sempre conseguia um jeito de desarmá-la.

Dos três, Quindim é o mais arredio e arrisco, passa o dia todo entocado dentro de uma caixa ou em baixo da pia do banheiro, rosna e não aceita o contato humano. Mesmo depois de dois meses na Casa, continua arredio, rosnando e tentando unhar quem chega perto dele.

Em um dia de muito calor, deixamos a janela do quarto aberta para ventilar e ele conseguiu cortar a tela e fugiu. Sorte que a janela dá para o quintal, que é todo telado, e conseguimos pegá-lo antes que corta-se outra tela.

Vamos precisar de tempo, paciência e persistência para conquistar sua confiança e lhe ensinar o que é o amor!

x

Fale conosco!

Seja bem-vindo a Casa Mia. Em que posso ajudar?